• 'Só quero minha casa, meu namorado e meu gato. Se saio acho que vou morrer, imagino o velório todo'

  • Sep 4 2023
  • Duração: 29 minutos
  • Podcast

'Só quero minha casa, meu namorado e meu gato. Se saio acho que vou morrer, imagino o velório todo'  Por  capa

'Só quero minha casa, meu namorado e meu gato. Se saio acho que vou morrer, imagino o velório todo'

  • Sumário

  • “Queria muito ser rebelde, livre, intensa, uma pessoa impressionante. Na minha cabeça, quando me olho de fora, dentro da minha cabeça eu sou assim rebeldona. Mas eu vivo esbarrando em situações em que eu sou chatinha, cheia de rotina e, principalmente, uma mulher apaixonada. Fico rendida. Sou super jovem, tenho 26 anos, emprego legal, dinheiro legal, podia viajar o mundo, fazer esportes radicais, sair para dançar numa terça-feira, militar por mil assuntos e mais tudo que a juventude permite. Mas eu só quero ficar em casa abraçada com meu namorado e nosso gato. Isso me dá crises. Os 26 anos são estranhos demais, têm amigos tendo filhos e amigos recebendo mesada dos pais. Eu me vejo exatamente no meio. Tenho muita liberdade de ser doidona, rebelde, mas não estou afim. Toda vez que estou longe de casa parece que vou morrer. Trabalho viajando e toda dor de cabeça que sinto longe de casa já passa o meu velório na minha cabeça. Acontece em detalhes, eu chego no hotel, minha cabeça dói e eu penso: ‘Pronto, vou morrer aqui, deitada nessa cama e ninguém vai saber.’”

    Neuras cotidianas e manias serão assunto das conversas entre a escritora Tati Bernardi e o psicanalista Christian Dunker, às segundas-feiras em Universa. Quer participar? Tati e Christian vão receber as histórias pelo e-mail desculpaotranstorno@bol.com.br e debatê-las a partir do olhar da psicanálise --ele é psicanalista, e ela, estudante desse campo que investiga a mente humana.

    #DesculpaOTranstorno #T02EP06

    See omnystudio.com/listener for privacy information.

    Exibir mais Exibir menos

Sinopse

“Queria muito ser rebelde, livre, intensa, uma pessoa impressionante. Na minha cabeça, quando me olho de fora, dentro da minha cabeça eu sou assim rebeldona. Mas eu vivo esbarrando em situações em que eu sou chatinha, cheia de rotina e, principalmente, uma mulher apaixonada. Fico rendida. Sou super jovem, tenho 26 anos, emprego legal, dinheiro legal, podia viajar o mundo, fazer esportes radicais, sair para dançar numa terça-feira, militar por mil assuntos e mais tudo que a juventude permite. Mas eu só quero ficar em casa abraçada com meu namorado e nosso gato. Isso me dá crises. Os 26 anos são estranhos demais, têm amigos tendo filhos e amigos recebendo mesada dos pais. Eu me vejo exatamente no meio. Tenho muita liberdade de ser doidona, rebelde, mas não estou afim. Toda vez que estou longe de casa parece que vou morrer. Trabalho viajando e toda dor de cabeça que sinto longe de casa já passa o meu velório na minha cabeça. Acontece em detalhes, eu chego no hotel, minha cabeça dói e eu penso: ‘Pronto, vou morrer aqui, deitada nessa cama e ninguém vai saber.’”

Neuras cotidianas e manias serão assunto das conversas entre a escritora Tati Bernardi e o psicanalista Christian Dunker, às segundas-feiras em Universa. Quer participar? Tati e Christian vão receber as histórias pelo e-mail desculpaotranstorno@bol.com.br e debatê-las a partir do olhar da psicanálise --ele é psicanalista, e ela, estudante desse campo que investiga a mente humana.

#DesculpaOTranstorno #T02EP06

See omnystudio.com/listener for privacy information.

O que os ouvintes dizem sobre 'Só quero minha casa, meu namorado e meu gato. Se saio acho que vou morrer, imagino o velório todo'

Nota média dos ouvintes. Apenas ouvintes que tiverem escutado o título podem escrever avaliações.

Avaliações - Selecione as abas abaixo para mudar a fonte das avaliações.